TUBEVISOR
Jeannie é um gênio

Jeannie é um Gênio

TUBEVISOR|SÉRIES

A garota deste programa é um sonho, é um espetáculo, é muito viva. Assim iniciava uma das série de comédia de maior sucesso mundial, Jeannie é um Gênio. Estrelado por Barbara Eden (como um provocante gênio das mil e uma noites) e Larry Hagman (como seu amo e senhor).

A Série.

Jeannie é um gênio - a série

Ele poderia pedir ouro, riquezas e poder

Nos anos 60 a NBC encomendou uma série ao escritor Sidney Sheldon, para concorrer com o programa da ABC, A Feiticeira. Conhecido pelas publicações e seus romances, Sidney talvez inspirado pela sua genialidade nata e é claro “pela Feiticeira” criou Jeannie, um Gênio em forma de uma jovem passional, ingênua e sexy que se apaixona pelo primeiro homem que vê depois de uns dois mil anos aprisionados em uma garrafa.

O Major Nelson (Larry Hagman) sofre um acidente em uma missão espacial; sua nave cai numa ilha onde encontra a garrafa de Jeannie perdida na praia. Ao libertar o gênio, ele se torna a contragosto, seu amo e senhor. Se fosse hoje dia o Major iria pedir ouro, riquezas e poder, mas fica satisfeito apenas em ser resgatado e ter sua vida de volta. Mas Jeannie uma mulher decidida, suspira que Nelson é o homem, digo, o amo de sua vida. Então o gênio dá um jeito que a leve para casa e talvez viverem felizes para sempre, pelo menos era isto que ela sonhava. Mas ela descobre o que todos nós sabemos. Viver em paz mesmo com poderes mágicos, não é uma tarefa fácil, mesmo à 50 anos atrás.

Nelson conta para seu amigo, o Major Riley (Bill Daily), o segredo de ter um gênio à sua disposição vivendo em uma garrafa em sua casa. Sem nenhum peso na consciência ele tenta se dar bem com Jeanne, já que seu amigo parece não ligar muito para ela. Enquanto isto, o psiquiatra da base militar, Dr. Bellows desconfia que haja algo de diferente com Nelson e tenta descobrir o seu segredo. O Major faz de tudo para não enlouquecer com Jeanne e achar o meio de levar uma vida normal.

Jeannie é uma Gênio – Cinco temporadas de sucesso – Até que o casamento os separa.

A série se manteve por cinco temporadas, com sucesso junto ao seu público por causa de suas ideias femininas revolucionárias. Nos anos 60 quando tudo era controlado pela censura e as arbitrariedades da sociedade; as mulheres viviam totalmente submissas ao homem, o programa apresentava uma imagem que aparentemente representava exatamente isto; uma mulher que atendia em um piscar de olhos os desejos de um homem. Mas Jeanne representava a contracultura da época e a luta das mulheres que exigiam seus direitos. Solteira, independente e sexy, morava com um oficial do governo sem ser casada com ele, coisa que só nos dias atuais é possível e até admirado.

No quinto e último ano da série, a química que levara o programa ao sucesso se desfez quando pressionados resolveram promover o casamento entre Jeanne e Nelson. Daí passou a ser um casal normal, e o gênio passou a se preocupar com os afazeres domésticos e a convivência social, tudo o que a hipocrisia moral da época exigia.

Barbara Eden, O Gênio

Barbara Eden é o Gênio

Barbara Eden é o Gênio

Nascida em Barbara Jean Moorhead, Estados Unidos em 23 de Agosto de 1934 é uma atriz e cantora que apesar sempre batalhar em sua carreira artística, trabalhando em vários projetos na televisão, teatro e no cinema, só ficou conhecida como o gênio de Jeannie da famosa série de TV.

Quando foi convidada por Sidney Sheldon para o papel, Barbara estava grávida de seu primeiro filho, fruto de seu primeiro casamento. Sheldon convenceu os produtores que Barbara era a atriz perfeita para o papel e mesmo grávida foi contratada. Para esconder a gravidez, o personagem se escondia o ventre por detrás dos véus do figurino. Outro fator que ajudou, foi por contenção de despesas, a primeira temporada da série foi filmada em preto-e-branco.

Atualmente casada com o executivo Jon Eicholtz, vive uma pacata vida em Beverly Hills e de vez em quando realiza viagens para conhecer outras culturas. Antes de alcançar a paz Barbara tinha enfrentado outros dois casamentos, um deles rompidos em consequência da perda ainda na gravidez de seu segundo filho. Posteriormente, seu único filho Mathew, veio a falecer vítima de overdose de heroína, pois era dependente químico. Barbara em entrevista declarou; “Às vezes eu me vejo na tela e fico surpresa. É como olhar no espelho. Eu não gosto de assistir a mim mesma. Mas eu consigo assitir a “Jeannie É um Génio” agora, já passou tempo suficiente. É quase como assistir a outra pessoa.”

‘Jeannie é um Gênio’: o reencontro de Barbara Eden e Bill Daily

Larry Hagman – O Amo

Filho da atriz Mary Martin e de Ben Hagman, Larry nasceu no dia 21 de setembro de 1931 no Texas. Influenciado pela mãe, seguiu a carreira artística e ainda jovem procurava por uma oportunidade. A primeira foi quando conseguiu estrelar sua primeira série de TV: Jeannie é um Gênio (1965-1970). Larry que durante a produção da série sempre colocava seu temperamento meio agressivo para conseguir o que queria. Viu-se derrotado quando das mudanças na quinta temporada. Claramente contrário ao casamento dos personagens e passava um mal estar para equipe de produção. Assim melancolicamente a série chegou ao seu fim em meio das crises de cirrose provocado pelo alcoolismo que lhe acometia.

Marcado pelo personagem Tony Nelson, Larry tentou arranjar outro trabalho, mas as portas lhe eram fechadas. Um dia alguém sacou que a sua personalidade difícil seria perfeita para interpretar o vilão Jr. Ewing da novela americana, Dallas, que tornou como sua segunda marca. Sucesso mundial, entre os anos de 1978 e 1991.

Larry Hagman – O Amo

Larry Hagman – O Amo

Em 2012 a série Dallas teve uma continuação pela rede de TV TNT com grande sucesso com a participação de Larry vivendo seu personagem Jr. Preparando-se para segunda temporada os produtores foram surpreendidos pela morte de Larry em novembro de 2012. Ele lutava contra um câncer na garganta desde 2011..

Segundo o New York Times, ao falar sobre a morte em entrevista realizada na década de 1980, Larry disse:
“A vida é terminal, a morte não. Acho que a morte é apenas um estágio de nosso desenvolvimento. Eu honestamente acredito que nós não desaparecemos simplesmente. Nós não vamos para um vazio. Eu acho que somos parte de uma grande cortina de energia; uma onda de energia na qual somos como moléculas.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *