MAGAZINE
rolling-stones

Rolling Stones – A banda de rock mais antiga do mundo

MAGAZINE | MÙSICA

51 anos depois de sua formação, o grupo se mantém em atividade, sustentado por dezenas de sucessos, uma das marcas comerciais mais poderosas do mundo, The Rolling Stones.

Inspirados pela música de Muddy Waters chamaram a banda de Rolling Stones.

Era uma tarde no ano de 1960. Mick Jacker estava na estação de Dartford, Inglaterra e logo reconheceu aquela figura magrela que para a sua frente. Era o seu amigo de infância Keith Richards. Alguns minutos de prosa foi o suficiente para descobrirem que tinham adquiridos interesses em comum por blues e rock and roll. Mas foi outro amigo dos dois, o guitarrista Brian Jones, que resolveu chamá-los para montar a primeira banda de R&B de brancos. Inspirados pela música de Muddy Waters chamaram a banda de Rolling Stones, que teve sua estréia oficial em 12 de junho de 1962 no Marquee Club em Londres.

stones-no-inicio

Os Stones no início

A banda no início contava ainda com o amigo de Brian, Ian Stewar, e o por Bill Wyman só porque tinha os amplificadores. Em 63, o excelente baterista Charlie Watts assumiu as baterias o que deu a banda uma melhor qualidade musical, chamando a atenção da Decca Records, que se apressou em contratá-los, já que tinha tolamente deixado de contratar os Beatles que a havia procurado.

Os primeiros anos da banda subreviveram com covers de canções como de Chuck Berry e tocando composições de outros como da dupla Lennon e McCartney. Em 1965 estourava seu primeiro sucesso e um dos maiores de todos os tempos, (I Can’t Get No) Satisfaction.

Em 1968 com Beggar’s Banquet, outro hit estourou Jumpin’ Jack Flash em um compacto. Do outro lado a polêmica Sympathy For The Devil, segundo Jagger a inspiração veio do candomblé, quando esteve aqui no Brasil, na Bahia. A maioria diz ser satânico. Será que é está a explicação por estarem (esqueléticos velhinhos) fazendo sucesso por mais de 50 anos?

Hyde Park, um show memorável.


Brian Jones, o fundador da banda, cansado da vida resolve sair da banda, sendo substituído por Mick Taylor. Brian certamente sentiu muito a saída, pois dias depois foi encontrado morto afogado em sua piscina em circunstâncias estranhas. Dias depois, como obra do destino, os Stones realizam o famoso show no Hyde Park, em Londres, onde o abalado Mick fez uma homenagem ao amigo Brian reconhecendo a sua importância para os Rolling Stones.

Em dezembro de 69, durante um show em Altamont, na Califórnia, que reuniu mais de 500 mil hippies que foram a loucura. A segurança do local estava a cargo de um grupo chamado de Hell’s Angels de São Francisco que agiram com brutalidade com qualquer um que tentasse furar o seu bloqueio. A abertura do show ficou a cargo de Jefferson Airplane. Quando os Stones subiram ao palco a platéia ficou histérica e os Hell’s Angels ficaram mais violentos. Os Stones sabiam que algo de errado estava acontecendo, mas não percebiam diante tanto delírio o quanto era sério. No dia seguinte descobriram que quatro pessoas tinham morrido durante o show, uma tragédia em que os Stones foram inocentados.

1971 – Os Stones lançam o álbum Sticky Fingers que apresentou muitas curiosidades dentre eles foi a primeira vez que apareceu o famoso logotipo da boca produzido pó John Pashe.

1972 – Foi a vez do álbum duplo Exile on Main Street, considerado como o melhor trabalho da banda. Neste álbum foi lançado o delicioso hit obrigatório em todos os shows dos Stones, Tumbling Dice.

1973 – Os Stones embalados pelo sucesso gravam mais um álbum, Goats Head Soup. Foi nele que muitos enamoraram com a romântica Angie e a polêmica Star Star, que ganhou notoriedade não só para letras explícitas alusivas a atos sexuais entre outras coisas.

1974 – Ano do clássico It’s Only Rock’n Roll e ainda influenciado pelo ritmo da discoteca a dançante Miss You. Os Stones só voltariam a emplacar um novo sucesso apenas em 1980 com Emotional Rescue.

1981 – Lançamento do álbum Tattoo You, considerado também uns dos melhores dos Stones com destaque para a explosiva Star Meu Up outra marca da banda além da balada Waiting On A Friend, guardada na geladeira desde 1973 quando não foi incluída no álbum daquele ano.

1982 – Jagger exibe todo seu vigor nos shows enquanto Richards se mostra reabilitado das drogas nas performances dos grandiosos shows que se tornaram as paresentações dos Stones. Nesta época foi lançado Let’s Spend the Night Together tinha do filme homônimo.

Os Stones entram em um inferno astral.


1983/1990 – Constantes brigas entre os membros, principalmente entre Jagger e Richards que dizem não podiam ficar na mesma sala sem trocar ofensas, assinalavam para o fim do grupo. Nesta época Jagger deu prioridade à sua carreira solo em detrimento dos Stones, o que deixou Richards mais chateado ainda.

1991 – Os Stones colocam as diferenças em segundo plano e lançam em turnê através do álbum Flashpoint. Utilizando uma metodologia autônoma e profissional os Stones se tornam em uma banda multimilionária, dominando espaços na mídia nunca imaginados fortalecendo a marca comercial The Rolling Stones.

1991/2007 – Diversas vezes especulava-se o fim da banda, mas em cada onda de fim, os Stones apareciam em shows cada vez melhores. Estiveram diversas vezes no Brasil em shows memoráveis. Em 2007, foi última turnê mundial dos Stones, “A bigger band”, apresentado 147 shows em 118 cidades e vendendo 4,5 milhões de entradas em dois anos.

Recentemente em 06 de junho de 2013, Os Stones reuniram mais de 200 mil pessoas no Hyde Park, onde cantaram quase o mesmo repertório que há 44 anos, em 1968. A apresentação foi em comemoração aos 50 anos de trabalho, e são considerado uma das bandas mais velhas em atividade (em todos os sentidos). É verdade que os velhinhos empulhando suas guitarras possuem mais vitalidade que muito e muito jovens de hoje imobilizados pelo facebook nas telas de seus smartphones.

Curiosidades

  • Keith Richards disse uma vez, que quando morrer vai doar o corpo para pesquisas para descobrirem por que as drogas não o mataram;
  • Sobre as drogas, Richards diz ainda que o rock’n’roll não existiria se elas não existissem, mas elas nunca foram o motor do rock, senão qualquer drogado seria roqueiro;
  • Em sua autobiografia, Richards revela o que mais doeu foi perceber o quanto errou e, acima de tudo, ver que não pode consertar os erros cometidos;
  • O filho de Richards, Marlon, o acompanhou desde os 2 anos de idade. Apesar de conviver em um mundo cheio de drogas, Richards considera o filho o cara mais careta que conheceu;
  • Perseguidos por mais de trinta anos, considerados sujeitos antissociais pela coroa britânica, Mick jagger ironicamente recebe um título de Nobreza;

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *